Como escrever um projeto de pesquisa – um passo a passo

Publicado em 08/05/2020 por Luzia Kikuchi

Uma dúvida frequente que eu recebo de alunos e colegas que pretendem ingressar em um mestrado ou doutorado é “como você escreveu seu projeto de pesquisa? ”.

O mais recomendado é consultar as normas de cada faculdade, que podem ter as suas particularidades para apresentação de determinados itens do projeto, mas normalmente elas seguem as instruções gerais da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). Essas recomendações também valem para propostas de TCC (Trabalhos de Conclusão de Curso) e de IC (Iniciação Científica).

O que eu percebi é que, embora essas instruções estejam disponíveis para o público, muitos têm dúvidas de como o que escrever em cada um desses itens no projeto.

Portanto, a minha ideia neste post é apresentar um pouco o “caminho das pedras” para escrever cada item de uma proposta de projeto de pesquisa. 

Para ficar um pouco mais didático, peguei como exemplo o *roteiro do projeto de pesquisa apresentado para o ingresso no programa de mestrado ou doutorado da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP) e explicá-lo item por item. Você pode clicar no item que quiser consultar diretamente a seguir:

  1. Projeto de Pesquisa redigido em língua portuguesa, sem identificação de autoria, com no máximo 20 páginas numeradas, em espaço 1½, letra Times New Roman, tamanho 12, contendo: 

*Essas informações estão disponíveis no site http://www4.fe.usp.br/pos-graduacao/processo-seletivo no item “editais”. A referência que usei para escrever este texto foi o edital do processo seletivo de 2019/2020.

  1. Idioma, autoria e apresentação gráfica

Para quem é brasileiro e pretende ingressar em um programa de pós-graduação no Brasil, parece óbvio que o idioma tenha que ser em língua portuguesa. Porém, em algumas universidades, que recebem muitos estrangeiros, são aceitos idiomas diferentes do oficial daquele país, tais como: inglês, espanhol ou francês que são amplamente usados no meio acadêmico.

Por que se pede para deixar sem identificação de autoria?

É muito importante que você não coloque nenhum elemento que possa induzir a identificação do autor em seu texto, muito menos, colocar o seu nome no início (como muita gente faz ao entregar um trabalho). Seu projeto pode ser reprovado por não se atentar a esse item, se está explícito no edital que não se deve fazer a identificação.

Isso é para garantir a isonomia (tratamento igual entre as pessoas perante a lei) do processo seletivo e não criar nenhum tipo de privilégio entre os candidatos.

Esse tipo de procedimento também é utilizado em provas de concursos públicos nas quais o candidato é identificado apenas pelo código de inscrição.

A importância da apresentação gráfica e o limite de páginas:

Obviamente, o conteúdo que está no seu projeto é a parte mais importante. Porém, é indispensável que a apresentação de seu texto também seja agradável para os olhos de quem lê (ainda mais numa situação como essa na qual os examinadores precisam ler muitos projetos em seguida). Por isso, tome bastante cuidado com a apresentação gráfica do seu texto, seguindo as normas da ABNT ou das diretrizes específicas de cada instituição.

Aqui listo algumas diretrizes segundo a ABNT:

Fonte:

Utilizar a fonte Times New Roman ou Arial, tamanho 12, para o texto principal. Em documentos acadêmicos, é recomendado o uso dessas configurações, na ausência de indicação explícita.

Para citações de mais de três linhas, notas de rodapé, paginação, ficha catalográfica, legendas e fontes das ilustrações e das tabelas, o tamanho da fonte deve ser menor: 10 ou 11.

No caso do projeto de pesquisa da FEUSP, pede-se a fonte Times New Roman.

Espaçamento e alinhamento:

O espaçamento entrelinhas do seu texto principal deve ser de 1,5. Antigamente, os projetos da FEUSP pediam espaçamentos entrelinhas duplo, mas, aparentemente deve ter sido padronizado de acordo com a ABNT.

Para outros elementos como: citações de mais de três linhas, notas de rodapé, legendas e fontes das ilustrações e das tabelas, ficha catalográfica, a natureza do trabalho, objetivo, nome da instituição a que é submetido e a área de concentração, deve-se usar o espaçamento simples.

Embora não esteja explícito no projeto, recomenda-se utilizar o alinhamento justificado para textos acadêmicos e, principalmente, para impressos.

Nas referências, usa-se apenas um espaço simples em branco para diferenciar uma obra da outra. Aqui também deve-se usar o espaçamento simples, mas com alinhamento à esquerda.

Limite de páginas (não especificado na ABNT):

Não sei exatamente o quanto o número máximo de páginas pode influenciar na decisão de um projeto ser aprovado ou reprovado, desde que ele esteja bem escrito (obviamente, se você ultrapassar muito, com certeza há mais chance de ser reprovado). Mas, regra é regra, então é sempre bom respeitá-la. No caso da FEUSP, pede-se o limite máximo de 20 páginas numeradas (ou seja, o número das páginas deve aparecer no seu documento). Esse quesito também precisa ser analisado de acordo com a instituição.

Agora vamos entrar de fato no conteúdo do projeto:

Embora o resumo seja o primeiro item que apareça no texto, recomendo que ele seja escrito por último. É mais fácil saber quais são os itens mais importantes depois que o seu texto estiver completo.

Aqui também deve ser respeitado o número máximo de linhas, de acordo com a instituição. A FEUSP pede o limite de 20 linhas.

Outra dica importante ao fazer o resumo é: evite pegar trechos literais do texto. Por exemplo, muitas pessoas fazem o resumo “recortando” trechos do texto principal, mas isso não é recomendado. Lembre-se que o resumo é a sua “vitrine” e precisa chamar a atenção do leitor para que ele se interesse em ler o texto completo. Nada mais desagradável do que ler um texto que parece um “frankenstein”, sem coesão. Portanto, dê atenção especial a ele, escrevendo um texto com começo, meio e fim, ainda que seja em poucas linhas.

Por ser uma proposta de projeto de pesquisa que você ainda vai desenvolver, a função principal da introdução é apresentar qual o tema, de forma delimitada, a problematização sobre o assunto, apresentar algumas hipóteses para serem respondidas no final do estudo, para depois entrar na justificativa na qual explicará a relevância de desenvolver esta pesquisa.

Para começar a escrever a introdução do seu texto, você precisa ter em mente os seguintes aspectos:

  • Introdução: Escolhendo o tema e a delimitação da pesquisa

Comece o texto dando um contexto do tema que você gostaria de pesquisar. 

Por exemplo, imagine que o tema de seu interesse seja a aprendizagem em Matemática. Porém, podemos falar de inúmeros aspectos envolvendo esse tema e a sua pesquisa não será capaz de responder todos.

Então, você deve delimitar quais quer analisar, afunilando aos poucos até conseguir chegar a um problema de pesquisa. 

Alguns tópicos que poderiam estar relacionados a esse tema que apresentei como exemplo seria: dificuldade ou facilidade na aprendizagem de Matemática? Analisar o aluno ou o professor? Qual faixa de ensino você quer investigar? Entre outros.

No meu caso, quando comecei a lecionar Matemática, me intrigou os erros comuns cometidos pelos alunos que começam a resolver problemas algébricos, tipicamente, alunos do sétimo ano do Ensino Fundamental.

  • Introdução: Escolha da problemática

Após delimitar o tema, é hora de pensar na problemática a ser tratada. Idealmente, você deve escolher algo que te incomoda ou que te desperta curiosidade. E para isso você deve formular algumas perguntas para responder ao seu problema.

Algumas perguntas que poderiam ser formuladas na temática que usei como exemplo anteriormente são:

  1. Os erros podem ser utilizados como ferramentas didáticas para o ensino de Matemática?
  2. Por que os alunos têm dificuldade para compreender a linguagem algébrica?
  3. O que o erro pode revelar em termos de aprendizagem em Matemática?
  4. Quais áreas correlatas podem ajudar a compreender as dificuldades de aprendizagem da linguagem algébrica e quais contribuições elas trazem para a prática da sala de aula? 

Escolhendo o tema e a problemática, agora você precisa começar a pesquisar os estudos relacionados a esse assunto (que é conhecido também como um levantamento bibliográfico). Este levantamento é importante para saber se a sua problemática é uma preocupação relevante e também para saber se alguém já não respondeu ao seu problema.

Um detalhe importante: tente filtrar, nas suas bases de pesquisa, os trabalhos dos últimos quatro ou cinco anos sobre o tema, para garantir os estudos mais atuais sobre esse tema e se for um assunto que tem bastante regularidade na publicação. E também depende da natureza de sua pesquisa que requer a consulta de documentos antigos, por exemplo.

Mas, como eu faço para encontrar as pesquisas sobre o meu tema?

Você pode usar tanto o Google scholar quanto o Portal de periódicos da Capes. Cada um tem suas vantagens e desvantagens que vou listar a seguir:

Google Scholar ou Google Acadêmico

Crédito da imagem: google.scholar.com.br

Vantagens:

  1. Encontrar trabalhos acadêmicos relacionado ao tema;
  2. Acesse a trechos de livros que tratam sobre o tema de acordo com as palavras-chave digitadas na busca. Assim, você pode ter chance de encontrar um livro que seja importante para a sua pesquisa.

Desvantagens:

  1. A forma que o Google apresenta os dados de busca tem muita influência de acordo com o perfil de usuário. 
  2. Nem sempre os resultados apresentados são os estudos mais relevantes sobre o assunto.

Portal de periódicos da Capes

Crédito da imagem: www.periodicos.capes.gov.br

Vantagens: 

  1. Encontra trabalhos tanto acadêmicos quanto publicados em periódicos, de acordo com a palavra-chave pesquisada e não tem influência com os dados de navegação do usuário. 
  2. Os periódicos indexados passaram por uma curadoria da equipe técnica da CAPES (ou Qualis CAPES), portanto, são de base relevante.
  3. As palavras-chave utilizadas para a sua busca são reproduzíveis por qualquer pessoa. Isso quer dizer que, se você faz uma busca utilizando certas palavras-chave e o seu colega fizer exatamente a mesma busca, também encontrará os mesmos resultados. Isso é muito importante para fazer um trabalho de revisão bibliográfica, por exemplo.

Desvantagens: 

  1. Alguns periódicos, principalmente os internacionais, podem cobrar para acessar o texto completo.
  2. No entanto, se você tiver o **login de alguma *instituição participante do programa poderá acessar a grande parte desses periódicos principais.

* Segundo informações coletadas no próprio site da CAPES, as instituições participantes enquadram-se em algum dos seguintes perfis:

I – Instituições federais de ensino superior;

II – Unidades de pesquisa com pós-graduação, avaliadas pela CAPES com nota 4 (quatro) ou superior;

III – Instituições públicas de ensino superior estaduais e municipais com pós-graduação avaliadas pela CAPES com nota 4 (quatro) ou superior;

IV – Instituições privadas de ensino superior com pelo menos um doutorado com avaliação 5 (cinco) ou superior pela CAPES;

V – Instituições com programas de pós-graduação recomendados pela CAPES e que atendam aos critérios de excelência definidos pelo Ministério da Educação (MEC).

Fonte: CAPES

** Caso você não pertença a nenhuma dessas instituições citadas, pode optar por procurar uma instituição pública mais próxima de você, que se enquadre em algum desses perfis, e acessar pelo computador da biblioteca dela. Consulte na biblioteca da respectiva instituição para as normas de acesso.

  • Introdução: Elaboração das hipóteses 

Depois de fazer uma pesquisa nessas bases de conhecimento, você já terá verificado se o seu tema e a problematização têm fundamento e é algo relevante para ser pesquisado (mas, espere um pouco para explicar esse item, pois ainda não entramos na justificativa). Então, como você acha que os seus problemas podem ser respondidos? Essa é a hipótese do seu problema.

A hipótese é uma “suposição” de como resolver o seu problema. Pode ser mais de uma e é ela que dará a direção para responder ao seu problema no fim da pesquisa.

Novamente, no tema que dei como exemplo, vamos supor que eu queira trabalhar com a problemática de número 4 (Quais áreas correlatas podem ajudar a compreender as dificuldades de aprendizagem da linguagem algébrica e quais contribuições elas trazem para a prática da sala de aula?). A minha hipótese é de que seria a Psicologia Cognitiva aplicada à aprendizagem de Matemática seria uma das áreas que poderiam ajudar a compreender essas dificuldades na aprendizagem de linguagem algébrica. Então, no meu levantamento bibliográfico, devo trazer alguma referência na área de Psicologia Cognitiva ou estudos que apontem esses resultados para que eu possa ter ferramentas para analisar as minhas problemáticas.

Lembrando que é muito importante levar em consideração o tempo de execução de acordo com o seu projeto (IC, TCC, Mestrado, Doutorado, etc.) para a escolha da hipótese para a sua pesquisa.

Então, seguindo o modelo da FEUSP, esse seria o final da sua introdução e em seguida escreverá a justificativa.

  • Justificativa

Nessa parte, você deve explicar por que a sua pesquisa tem relevância, usando, se possível, dados estatísticos de órgãos governamentais ou da própria literatura científica mostrando que é um problema que precisa ser discutido na área que você delimitou como tema.

A justificativa da relevância para uma pesquisa não pode ser validada apenas porque você acha importante ou acredita em algo.

Esse embasamento é importante para validar a sua pesquisa como um estudo científico, ou seja, a sua contribuição deverá ajudar outros pesquisadores a replicarem o mesmo estudo e chegar às mesmas conclusões.

Neste item, você tentará resumir em poucas palavras, de acordo com o tema, a problematização, as hipóteses que quer responder e de acordo com a justificativa dada, o principal objetivo da sua pesquisa. 

Outro ponto importante é que o objetivo precisa ser compatível com o tipo e tempo de execução do projeto. Nada de projetos de “salvação do mundo”, como: “meu objetivo é acabar com o analfabetismo no país”. Ok, isso pode ser parte de um projeto de Políticas Públicas para a Educação, mas você sozinha ou sozinho não conseguirá fazer isso apenas com a sua pesquisa. Assim, tente usar verbos como “compreender”, “estudar”, “analisar” ou “comparar”.

Dependendo da característica do seu projeto (experimental ou teórico) a descrição desse item pode variar muito. Mas, em linhas gerais, o que você precisa expor neste item são as formas que pretende fazer a coleta de dados para responder às perguntas de sua problemática.

Por exemplo, suponha que você tenha encontrado um estudo que mostrou um questionário aplicado com os alunos para analisar os erros cometidos pelos estudantes em problemas de Álgebra do Ensino Fundamental. Esse poderia ser um dos materiais que utilizará para analisar os seus dados. Mas, seria necessário definir com qual grupo de estudantes, o tipo de escola, que tipo de critério você vai utilizar para escolher esses estudantes, etc.

Obviamente, por tratar-se de uma proposta inicial, alguns métodos podem mudar durante o andamento da pesquisa. E não tem problema mencionar isso no projeto. Porém, quanto mais encaminhado este item já estiver, mais fácil será o seu estudo no futuro.

Neste item entram os quesitos do tipo de análise que fará com os dados coletados. Por exemplo, se será uma pesquisa qualitativa ou quantitativa? Se você coletou os questionários dos alunos, como você vai classificar os erros encontrados? Além do questionário, se vai comparar com mais algum material adicional que tenha coletado no item citado anteriormente em material e métodos? E qual a correlação que fará com esses dois materiais?

E o mais importante é que essas análises possam ter um apoio teórico-metodológico para interpretação dos dados. Eventualmente, você pode citar que essa referência será escolhida futuramente e não tem problema se encontrar uma outra melhor durante o andamento de sua pesquisa, pois será explicado em sua dissertação ou tese o motivo da mudança.

Aqui você deve apresentar um calendário, por períodos, do que está previsto em cada fase da pesquisa. Segue um exemplo de um cronograma de projeto de doutorado com duração de quatro anos. Você pode alterar essa tabela de acordo com o número de itens do seu projeto e o tempo de execução.

Crédito da imagem: acervo pessoal

E, por último, você citará as obras e os documentos que foram usados para escrever o seu projeto de pesquisa. Provavelmente, essa lista virá a partir da sua consulta na base de conhecimento do item b.

Uma coisa muito importante é que TODAS as obras citadas em seu projeto devem aparecer aqui. Mas, nunca cite um documento que você não utilizou “só para fazer volume”.

A seguir vou explicar um pouco sobre a ordenação e os tipos de referências que podem existir:

Ordenação das referências

A forma de ordenar as referências pode ser tanto alfabética ou numérica. Quando é numérica, estará de acordo com a ordem que aparece no seu texto (essa forma é muito usada para quem redige no sistema LaTex – muito usada nas Ciências Exatas e Biológicas por conta da facilidade de edição de fórmulas matemáticas).

Tipos de referências

Quanto aos modelos da ABNT para referenciar os documentos, variam de acordo com o tipo: livros, publicações periódicas, patentes, documentos jurídicos, materiais especiais e documentos eletrônicos.

Para que este post não fique mais longo do que já está, sugiro consultar este manual de diretrizes para elaboração de teses e dissertações da Universidade de São Paulo (págs. 58 a 69). Essa é a versão atualizada em 2020.

Vale ressaltar que, existem outras formatações além da ABNT que são utilizadas para elaboração de documentos como ISO, APA, Vancouver que, mais uma vez, deve ser consultada de acordo com a instituição para onde você está enviando o seu projeto de pesquisa.

E, antes que eu me esqueça, lembra que eu falei para escrever o seu resumo por último? Não se esqueça de voltar para este item depois que estiver tudo finalizado, ok?

Conte aqui nos comentários, o que você mais tem dificuldade na hora de elaborar o seu projeto. E também qual desses itens anteriores você gostaria que eu explicasse com mais detalhes.

Recomendo também um livro muito bom para entender um pouco melhor sobre planejamento de pesquisa e que usei como referência para explicação deste post:

Título: Planejamento de pesquisa: uma introdução
Autor: Sérgio Vasconcelos de Luna
Editora: Educ
Crédito da imagem: amazon.com.br

Você também pode assistir esse conteúdo sintetizado no canal: