Cinco livros interessantes para começar a gostar de matemática

Publicado em 27/11/2020 por Luzia Kikuchi

Como professora de matemática há alguns anos, já encontrei com pais e mães aflitas me dizendo: “Meu filho(a) não gosta de matemática”, “Não sei o que eu faço para ele(a) gostar de matemática” ou até mesmo “Qual dica você me dá para meus filhos gostarem de matemática?”.

O mais curioso disso tudo é que, muitas vezes, os próprios pais não gostam da disciplina. E por não terem afinidade com essa disciplina, acabam “implantando” na cabeça de seus filhos algumas “crenças” como:

“Matemática é chata!”

“O Teorema de Bhaskara não serve para nada na vida”

“Matemática é para gênios”

Só para citar as frases mais comuns. O problema é que não existe milagre. Se as crianças crescem ouvindo isso dos próprios pais, há uma chance bem pequena deles se interessarem por essa disciplina. Então, eu tenho uma certa dificuldade para entender o que esses pais esperam quando procuram por minha ajuda.

Na área da Didática da Matemática, existe um conceito de obstáculos epistemológicos no ensino de matemática criada pelo educador matemático francês Guy Brousseau, mas o conceito inicial de obstáculo epistemológico origina-se de Gaston Bachelard*.

* Se você tiver interesse de entender melhor sobre esse conceito de obstáculo epistemológico de Bachelard, recomendo ler o livro “A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento”.

Dentro do conceito de obstáculos, Brousseau definiu quatro tipos de categorias de obstáculos na aprendizagem de matemática: epistemológico, didático, ontogenético e psicológico. E, este último, enquadra-se exatamente no caso em que a influência de familiares ou do meio social que ele convive acaba afetando diretamente na sua capacidade de aprender matemática. Não vou me estender muito neste assunto, mas se você tiver interesse, tem um artigo que escrevi para o XIV EBRAPEM (Encontro Brasileiro de Estudantes de Pós-Graduação em Educação Matemática) com a minha colega Wanessa Trevizan, na época que estávamos fazendo o mestrado na FEUSP. E nesse artigo damos alguns exemplos de cada um desses obstáculos.

E justamente para pessoas com esse tipo de bloqueio, eu recomendo um livro escrito pelo autor Hans Magnus Enzensberger chamado “O diabo dos números”. Nesse livro, o personagem é um menino chamado Robert que odeia matemática. Um dia, ele começa a sonhar com o “diabo dos números” que é um sujeito muito cético e pragmático que vai mostrando que a matemática é muito mais simples do que é mostrado na escola. O diabo dos números começa, por exemplo, que saber quanto é “1 + 1” é mais do que suficiente para começar na matemática. E, assim, ele vai desmistificando muitas crenças de pessoas que acham que não podem aprender matemática.

Título: O diabo dos números
Autor: Hans Magnus Enzensberger
Tradutor: Sergio Tellaroli
Editora: Seguinte*
Crédito da imagem: http://www.amazon.com.br

* A Seguinte faz parte da editora Companhia das Letras.

O mais interessante desse livro é que a narrativa percorre de forma similar a um diálogo típico de um aluno que não gosta de matemática e tenta encontrar todos os tipos de artimanhas para se livrar do “diabo dos números”, que seria o professor de matemática. Porém, diferente do professor que tentaria mostrar de forma “romântica” a importância da disciplina, o diabo mostra que a matemática não é saber fazer contas e, sim, de resolver problemas do cotidiano. 

Na mesma linha, existe um livro que encontrei, por acaso, em um saldão da Livraria Fnac* há muitos anos atrás chamado “Números Pares, Ímpares e Idiotas” que conta a história de um reino composto por números e cada um deles têm uma personalidade própria. A história fictícia é bastante divertida e vale a pena também para pessoas que queiram fazer uma leitura pouco compromissada e bastante fluida.

* A Livraria Fnac não está mais no Brasil desde o final de 2018, mas ainda tem lojas pela Europa.

Infelizmente, esse livro acabei não encontrando à venda nas livrarias mais conhecidas aqui no Brasil (no site da Fnac de Portugal, você pode encontrar uma versão nova, mas custa em euros). Mas, se você procurar no site estante virtual, ou na parte de usados da amazon ou mercado livre, pode encontrar umas versões usadas.

Título: Número pares, ímpares e idiotas.
Autores: Juan José Millás e Antonio Fraguas “Forges”
Tradutor: Luciana Garcia
Editora: Arxjovem
Crédito da imagem: acervo pessoal

Agora, se a sua ideia é ler uma história mais longa, envolvente, na qual a matemática só aparece como coadjuvante, eu recomendo o livro “O homem que calculava” de Malba Tahan, pseudônimo do prof. Júlio César de Mello e Souza. Se quiser ter uma ideia da história, você pode assistir este vídeo do canal Conta!

Título: O homem que calculava
Autor: Malba Tahan (Júlio César de Mello e Souza)
Editora: Record
Crédito da imagem: http://www.amazon.com.br

Também existe outro livro do Malba Tahan chamado “Matemática divertida e curiosa” que contém alguns trechos do “O homem que calculava”, com os desafios resolvidos por Beremiz e também outros desafios matemáticos intrigantes com a respectiva solução. Talvez esse livro seja mais voltado para quem já tem alguma afinidade com a matemática. Mas, não deixa de ser um passatempo divertido, se você gosta de resolver enigmas ou simplesmente gosta de desafiar outras pessoas a “quebrarem a cabeça”.

Título: O homem que calculava
Autor: Malba Tahan (Júlio César de Mello e Souza)
Editora: Record
Crédito da imagem: http://www.amazon.com.br

Por último, recomendo “Incríveis passatempos matemáticos” de Ian Stewart. Este livro é uma continuação do “Almanaque das Curiosidades Matemáticas”, igualmente interessante, mas, porque eu particularmente gosto daquele: além de ser um livro que não precisa ser lido de forma sequencial (você lê pela parte que mais interessa), ele apresenta histórias de matemáticos pouco conhecidos e de histórias curiosas que os tornam menos “gênios” e mais humanos, como qualquer um de nós.

Título: Incríveis passatempos matemáticos
Autor: Ian Stewart
Tradutor: Diego Alfaro
Editora: Zahar
Crédito da imagem: http://www.amazon.com.br

Se você quiser conferir um pouco do conteúdo desse livro, eu costumo postar alguns trechos desses dois livros no meu instagram, me siga por lá!

E uma grande vantagem desses três últimos livros é que existe a versão do Kindle, que você pode baixar para ler imediatamente. Então, agora que está chegando o Natal e as encomendas começam a ficar um pouco mais demoradas, é uma ótima forma de já começar a ler!

E para crianças pequenas?

Eu confesso que não conheço muito sobre literatura infantil, pois não tenho filhos e, ao longo da minha carreira, até recentemente, minha especialidade tem sido trabalhar com adolescentes e jovens adultos. Porém, a professora Andressa Trevizan, que é pedagoga, mantém um site chamado “Matemática Divertida” onde tem uma lista de livros para crianças que ajudam a entender alguns conceitos matemáticos. Confiram! Ela também faz diversos vídeos de animação no seu canal do YouTube.

Também tem uma coleção chamada “Vivendo a Matemática” que é escrita pelo professor Nílson José Machado, Luiz Márcio Imenes e Marcelo Lellis. É uma coleção de paradidáticos muito interessantes também para quem quer aprender matemática. No entanto, também é uma coleção que não tenho mais encontrado à venda nas livrarias. Mas em sebos online você pode encontrá-los também.

E se você quiser trocar e vender livros por outros novos. Neste post, eu dei uma dica de um sebo online chamado Container Cultura, onde você pode saber na hora quanto valem os seus livros e decidir se quer vender ou não para adquirir novos.

Aproveite as leituras! E deixe nos comentários se você gostou ou tem dicas de outros livros para gostar de matemática.

E assista também ao vídeo com essas dicas resumidas e para compartilhar com mais gente que precise saber delas.